A especificidade da noção de jogo em Agamben: influência da análise linguística ou hipótese da infância?

Silvana Silva

Resumo


A obra de Agamben vem sendo apropriada por estudiosos de diversas áreas, suscitando interesse para além da Filosofia.  Giorgio Agamben convoca frequentemente saberes advindos de outras áreas, tais como a Linguística, foco de nossa análise.  Centramos nossa atenção sobre a especificidade da noção de jogo no capítulo “O país dos brinquedos’, segundo capítulo da obra Infância e História, de Giorgio Agamben. Lançamos duas hipóteses: a especificidade da noção de jogo advém da influência linguística ou da hipótese sobre infância do filósofo Walter Benjamin? Concluímos que as duas influências se mesclam e são determinantes para a construção do pensamento agambiano.


Palavras-chave


Agamben; jogo; infância; linguística

Referências


AGAMBEN, G. O país dos brinquedos. In:___. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: UFMG, 2005, p. 79-106.

BENVENISTE, E. Le jeu comme structure. In: LAPLANTINE, C. PINAULT, G. Langues, cultures et religions. Limoges: Lambert-Lucas, 2015, p. 177-184.

BOUQUET, S. Introdução à leitura de Saussure. São Paulo: Cultrix, 1998.

FARIAS, B. NUNES, P. O tempo do homem é o tempo da língua, o tempo da língua é o tempo do homem: reflexões sobre a noção de temporalidade em Saussure e Benveniste. Nonada, vol. 1, n. 20, 2013, p. 153-176.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2014.

MILNER, J.C. Benveniste. Ibat obscurus. IN:___. El periplo estructural: figuras y paradigma. Buenos Aires: Amorrortu, 2003, p. 89-116.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122