Isaiah Berlin e Charles Taylor em debate: Reflexões em torno das concepções de liberdade positiva e negativa

Anderson Carvalho dos Santos

Resumo


Este artigo se concentrará em um debate contemporâneo em torno do conceito de liberdade, a partir das ideias de dois pensadores: o filósofo britânico Isaiah Berlin, que trouxe uma rica contribuição para as reflexões a respeito desse tema ao apresentar, em suas obras, os conceitos de liberdade positiva e negativa; e Charles Taylor, filósofo canadense que, ao refletir sobre a distinção proposta por Berlin, faz uma crítica à preferência deste pela liberdade negativa para a consecução dos ideais da modernidade. O objetivo é, portanto, compreender como se constitui a discussão entre eles e quais são seus argumentos em defesa da noção de liberdade que mais se adequa aos ideais da modernidade. A temática em questão se insere em um eixo de discussão teórico muito rico conhecido como o debate liberal-comunitário.


Palavras-chave


Berlin; Taylor, Liberdade positiva, Liberdade negativa.

Referências


ABBEY, Ruth. Charles Taylor. Londres: Acumen, 2000.

BERLIN, Isaiah. Quatro ensaios sobre a liberdade. Trad. Wamberto Hudson Ferreira. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 1981.

________. Freedom and Its Betrayal: Six Enemies of Human Liberty. London: Chatto and Windus; Princeton: Princeton University Press, 2002.

BOBBIO, Norberto. Igualdade e Liberdade. Trad. Carlos Nelson Coutinho - 2ªed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1997.

BORGHETI, Rodrigo da Silva. 2013. O problema da liberdade nas obras de Paulo Freire e Eric Fromm. São Paulo, SP. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo - USP, 269p.

CARTER, Ian. "Positive and Negative Liberty", The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2016 Edition), Edward N. Zalta (ed.), disponível em = . Acesso em 11 de Janeiro de 2017.

CONSTANT. B. Da liberdade dos antigos comparada à dos modernos. In: Filosofia Política 2. Porto Alegre: L&PM, 1985, p. 9-25.

DUTRA, Delamar J. Volpato. O que há de errado com a liberdade positiva? Princípios. Natal (RN), v. 21, n. 35 Janeiro/Junho de 2014, p. 311-327.

DWORKIN. Ronald. Moral Pluralism. In. Justice in Robes. Harvard University Press. 2006.

ELIAS, Maria Ligia G. R. 2014. Liberdade como não interferência, liberdade como não dominação, liberdade construtivista: uma leitura do debate contemporâneo sobre a liberdade. São Paulo, SP. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo – USP, 149p.

FROMM, Eric. O medo à liberdade. Trad. Octavio Alves Velho 12ªed. Zahar Editores. Rio de Janeiro, 1980.

GUALDA. Diego de Lima. 2009. Individualismo holista: uma articulação crítica do pensamento político de Charles Taylor. São Paulo, SP. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo – USP, 298p.

HOBBES, Thomas. Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Trad. João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

LIMONGI, Maria Isabel. As versões da liberdade. Rev. Sociol. Polít., Curitiba, 22, p. 227-229, jun. 2004

MacCALLUM Gerald Jr. Libertad positiva e negativa. CS No. 12, p. Cali, Colômbia. 287-311, Julio–Diciembre 2013.

RAMOS, Cesar Augusto. A crítica comunitarista de Charles Taylor à concepção liberal de liberdade (negativa). Filosofia Unisinos, 15(1):20-34, jan/apr 2014.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Do contrato social / Ensaio sobre a origem das línguas. Coleção “Os pensadores”. Vol. II. Trad. Lourdes Santos Machado. São Paulo: Ed Nova Cultural. 2005.

TAYLOR, Charles. Argumentos filosóficos. Trad. Adail Ubirajara Sobral. São Paulo: Edições

Loyola, 2000.

__________. As fontes do self: a construção da identidade moderna. Edições Loyola, São Paulo, 1997.

_________. Philosophy and the Human Sciences: Philosophical Papers II. Cambrige University Press, 1985.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122