Considerações acerca da técnica e da tecnologia na obra de Hannah Arendt

Lara Emanuele da Luz

Resumo


A questão da técnica e da tecnologia implícita na obra A Condição Humana perpassa pelas inversões modernas diagnosticadas por Arendt, primeiro entre a vita activa e a vita contemplativa, ocupando a primeira lugar de destaque, depois entre a atividade da ação e da fabricação, na qual a atividade política por excelência (ação) ocupa um lugar menos privilegiado em face à fabricação e, finalmente, entre a ação e trabalho, dado que o animal laborans, mero cuidador de seu próprio ciclo vital, ocupa lugar de destaque durante certo período da história. A partir desta questão de técnica e tecnologia em A Condição Humana, que acarreta na vitória do animal laborans, pretendemos defender a tese de que há uma reflexão arendtiana implícita sobre ambas as questões. Para compreendermos os quatro passos da dinamização da técnica, será utilizada a obra póstuma, fruto de suas anotações, Denktagebuch, e para embasar as três passos do desenvolvimento da tecnologia, será utilizada a obra A Condição Humana, que é o texto essencial para o desenvolvimento deste artigo.


Palavras-chave


Animal laborans, Hannah Arendt, Técnica, Tecnologia.

Referências


AMARAL, M. D. Alienação, deserto e naufrágio: três metáforas para uma compreensão da geometria do tempo em Hannah Arendt. Tese [Doutorado em filosofia]. Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010.

ARENDT, H. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. Rev. técnica Adriano Correia. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010

______. Compreender: formação, exílio e totalitarismo (ensaios) 1930-54. Trad. Denise Bottmann. Org. Introd. e Notas Jerome Kohn. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

______. Crises da república. Trad. José Volkmann. Ver. Antenor Celestino de Souza. São Paulo: Editora Perspectiva, 1973.

______. Denktagebuch. Bd. 1: 1950-1973. Bd. 2: 1973-1975. Piper, 2002.

______. Entre o passado e o futuro. 3. ed. São Paulo: Perpectiva, 1992.

CRAIA, E. C. P. Gilles Deleuze e a questão da técnica. 297 p. Tese [Doutorado em filosofia]. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2003.

CORREIA, A. Hannah Arendt e a modernidade: política, economia e a disputa por uma fronteira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

______. “O desafio moderno: Hannah Arendt e a sociedade de consumo”. In.: Eduardo Jardim de Moraes; Newton Bignotto Org. Hannah Arendt: diálogos, reflexões, memórias. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

DUARTE, A. M. Vidas em risco: crítica do presente em Heidegger, Arendt e Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ECCEL, D. Entre a política e a metafísica: filosofia política em Hannah Arendt e Eric Voegelin. 252 p. Tese [Tese em filosofia]. Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2015.

Oswaldo Giacoia Junior, “Ética, técnica, educação”. In.: Eduardo Jardim de Moraes; Newton Bignotto Org. Hannah Arendt: diálogos, reflexões, memórias. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

SILVA, M. S. S.; XAVIER, D. G. “Hannah Arendt e o conceito de espaço público”, Revista Profanações. Ano 2, n. 1, pp. 216-236, jan./jun. 2015.

SCHIO, S. M. Hannah Arendt: a estética e a política (do juízo estético ao juízo político). Tese [Doutorado em filosofia]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

VILLA, D. Arendt and Heidegger: The fate of the political. Princeton University Press, New Jersey, 1995.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 1808-5253 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122