Integração entre pesquisa empírica e prática clínica psicanalítica: um estudo ilustrativo

Aline Alvares Bittencourt, Silvia Pereira da Cruz Benetti, Fernanda Barcellos Serralta

Resumo


Entre as alternativas para superar a dissociação entre a investigação científica e a prática clínica psicanalítica, destaca-se a utilização de procedimentos empíricos que avaliam questões clinicamente importantes, como a inclusão da perspectiva do psicoterapeuta no estudo e a publicação de resultados de pesquisa em linguagem acessível ao psicoterapeuta. O presente trabalho mostra, por meio de um estudo sistemático de caso único de uma psicoterapia com uma paciente borderline, como dados clínicos e empíricos podem ser conjugados para ampliar a compreensão da paciente e das mudanças no seu funcionamento ao longo do 1º ano do tratamento. A sistematização do caso foi baseada nas anotações clínicas da psicoterapeuta e na aplicação de dois instrumentos: o SWAP-200, que avalia personalidade, e o SCL-90-R, que examina a sintomatologia. Esses dados foram integrados para formular uma hipótese compreensiva clínico-empírica sobre o processo psicoterápico e as mudanças no funcionamento da paciente no 1º ano de tratamento. A conclusão indica que, embora não seja uma tarefa simples, a integração entre a pesquisa empírica e a prática clínica psicanalítica é possível e potencialmente útil para ambos os campos. A superação dessa histórica separação depende do esforço conjunto de psicoterapeutas e pesquisadores.

Palavras-chave: pesquisa em psicoterapia psicanalítica, estudo de caso sistemático, processo psicoterápico.


Texto completo: PDF



ISSN: 1983-3482 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [Atualizado em 26/09/2016].

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues