Interação família e trabalho: a percepção de docentes do ensino superior acerca da satisfação conjugal

Georgia Maria Melo Feijão, Normanda Araujo de Morais

Resumo


O presente artigo buscou compreender as percepções de professores universitários acerca da sua satisfação conjugal (SC), bem como da influência que o trabalho exerce sobre a sua conjugalidade. Realizou-se um estudo de natureza qualitativa, por meio de entrevistas a seis docentes (três de cada sexo e idades variando de 34–50 anos). A análise de conteúdo das entrevistas gerou três categorias: (i) SC: Definição e Avaliação; (ii) Sobre as rotinas de trabalho próprio e do(a) companheiro(a); e (iii) Relação Conjugalidade – Trabalho Docente. Verificou-se que a SC foi definida a partir de diferentes elementos (companheirismo, sexualidade, confiança) e que foi avaliada positivamente pelos docentes. A rotina de trabalho (própria e do/a companheiro/a) foi descrita como bastante intensa, limitando o tempo destinado à vida conjugal e familiar. A distância física, o tempo passado longe dos filhos e do/a cônjuge e a necessidade de levar trabalho para casa foram mencionados como obstáculos à SC. Conclui-se que se constitui um desafio para esse profissional tentar conciliar vida conjugal/familiar e trabalho, duas esferas centrais ao bem-estar humano.

Palavras-chave: satisfação conjugal, professores, conjugalidade, relação trabalho- família.


Texto completo: PDF



ISSN: 1983-3482 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [Atualizado em 26/09/2016].

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122
Projeto gráfico: Jully Rodrigues