Crise global e a necropolítica do governo Bolsonaro em tempos de pandemia

Osmar Gomes Alencar Jr

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar a conjuntura de crise do capitalismo global e a resposta do Estado brasileiro para salvaguardar os interesses contraditórios do capital e do trabalho em tempos de pandemia. Está embasado teoricamente nas concepções de crise estrutural em Poulantzas (1977), sobre as crises do capitalismo em Harvey (2011), acerca da crise global em Farias (2015) em contraposição às teorias sobre a crise do neoliberalismo de Duménil e Lévy (2014); e na estratégia política de saída da crise a partir da biopolítica de Foucault (2010) e da necropolítica de Mbembe (2020). As medidas econômicas tomadas pelo governo Bolsonaro para minimizar o impacto do Coronavírus no cotidiano das empresas e na vida das pessoas mostrou a faceta mais sombria do neoliberalismo tupiniquim; isto é, do necroliberalismo verde-e-amarelo nessa pandemia: a de que a força de trabalho que não (mais) produzir valor será descartada. O necroliberalismo da política macroeconômica é a expressão prática da necropolítica genocida do governo Bolsonaro em tempos de pandemia.

Palavras-chave: Crise global, Neoliberalismo, Necropolítica.


Texto completo:

PDF




 

eISSN: 2177-6229 | Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

Signatária da Declaração de São Francisco sobre Avaliação da Pesquisa – DORA

 

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues
 
 
 
 
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Crossref Member Badge

Crossref Similarity Check logo

 

Redalyc - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal

GoogleScholar