Configurações territoriais dos cursos de formação de professores de Sociologia no Brasil (1934-2017): disputas e implicações

Cristiano das Neves Bodart, Caio dos Santos Tavares

Resumo


O presente artigo, apoiado em contribuições da Teoria do Campo, de Pierre Bourdieu, problematiza a territorialização dos cursos de Ciências Sociais de grau de licenciatura e suas configurações durante sua história institucional (1934-2017). As mudanças na territorialização da oferta desses cursos são destacadas e os interesses em jogo evidenciados. É constatado que a concentração inicial foi marcada por interesses de uma elite que, desejando manter sua distinção social, buscou se apropriar de um capital (cultural) que lhes poderia proporcionar a manutenção de seu poder econômico e político em uma sociedade que se modernizava. A desconcentração, por sua vez, é resultado de mudanças complexas fruto de disputas recentes no campo político, ascensão de grupos reformistas, desprestígio e precarização da carreira docente e expansão da demanda por professores de Sociologia em todos os estados brasileiros.

 


Texto completo: PDF



 

eISSN: 2177-6229 | ISSN-L: 1519-7050 | Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

Signatária da Declaração de São Francisco sobre Avaliação da Pesquisa – DORA

 

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues



Crossref Member Badge

Crossref Similarity Check logo

 

Redalyc - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal

GoogleScholar