A indústria cultural brasileira na formulação de Renato Ortiz

Marcelo Ridenti

Resumo


O artigo retoma e interpreta a reflexão de Renato Ortiz sobre a indústria cultural no Brasil. A hipótese proposta por ele se tornou referência para outros autores e passou a fazer parte de um saber consolidado comum, que nem sempre explicita sua origem na obra de Ortiz. Segundo ele, a indústria cultural só amadureceu na sociedade brasileira nos anos de 1960 e 1970, sob a ditadura militar, quando o mercado de bens culturais atingiu um patamar elevado em volume e dimensão, com o desenvolvimento expressivo da indústria televisiva, fonográfica, cinematográfica, editorial e outras, além de agências de publicidade e toda sorte de negócios dos meios de comunicação de massa, geridos cada vez mais conforme padrões internacionais de racionalidade empresarial, com apoio direto ou indireto do Estado. Para o autor, o amadurecimento da indústria cultural gerou uma “moderna tradição brasileira”, que incorporou ideologicamente as formulações utópicas nacionais e populares para construir um “internacional popular” que venderia os produtos culturais brasileiros também no mercado externo. O popular seria agora entendido correntemente como aquilo que tem mais aceitação de mercado pelo grande público, e o nacional, concebido como espaço de consumo interno e atributo para a venda mundial de produtos culturais brasileiros, como as telenovelas.

Palavras-chave: cultura brasileira, indústria cultural, modernidade.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues


Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo