Economia criativa e resistência: o artesanato indígena no Estado do Rio de Janeiro

Diego Santos Vieira de Jesus

Resumo


O objetivo deste artigo é examinar os papéis socioeconômicos, políticos e culturais do artesanato para a população indígena que vive em terras homologadas no Rio de Janeiro e na capital do Estado. O argumento central aponta que o artesanato permite não apenas a geração de renda no contexto de desenvolvimento da economia criativa no Estado, mas a promoção de autoafirmação e resistência à marginalização dos indígenas em políticas públicas e leis estaduais e federais e à sua invisibilidade em movimentos sociais dos próprios artesãos. O artesanato pode conduzir a maior autonomia e desenvolvimento das comunidades indígenas, ao vincular os elementos estéticos, simbólicos e sociais do artesanato local à melhoria das condições políticas e socioeconômicas de vida das comunidades no contexto de estímulo a setores criativos em áreas do Estado do Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo, o artesanato oferece maior visibilidade à produção cultural de grupos sociais marginalizados, como os indígenas, alimentando as discussões potencialmente transformadoras sobre suas condições e posição secundária em políticas públicas e leis voltadas para o próprio artesanato, bem como nas organizações de artesãos.

Palavras-chave: economia criativa, artesanato indígena, Rio de Janeiro.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues