Fazer-se multidão: multiplicidade, classe e comum

Bruno Tarin

Resumo


O presente artigo tem como tema central estudos sobre o conceito de multidão. Para embasar as análises e elaborações que atravessam esse conceito, inicia-se o artigo realizando uma breve reflexão sobre como a ideia de grandes agrupamentos ou de sujeito coletivo foi vista ao longo do tempo. Para tal, destacam-se os períodos da formação filosófica e da política dos Estados nacionais soberanos (século XVI) e o da formação daquelas que ficaram conhecidas como sociedades de massa (século XIX). Concluindo a primeira sessão deste artigo, reconhecemos a reemergência da multidão na virada do final do século XX para início do XXI, momento em que o debate sobre a multidão reaparece e os contornos extremamente negativos que a noção assumia majoritariamente nos períodos anteriores começam a ser progressivamente desmantelados. A multidão reemerge, assim, enquanto dispositivo capaz de se contrapor ao Império no seu fazer-se. Para nos relacionarmos com essa capacidade da multidão, analisam-se proposições teóricas pós-operaístas, em especial de Antonio Negri, percorrendo três principais trilhas: a multidão enquanto multiplicidade, enquanto classe e sua relação com o comum.

Palavras-chave: multidão, classe, comum.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues