O artista popular e o contrato: lógicas divergentes nas produções musicais

Mariana Mont'Alverne Barreto Lima

Resumo


As formas de produzir, distribuir e consumir música gravada foram rapidamente alteradas desde o final do último século. Muitos trabalhos de pesquisa, em diferentes áreas das Ciências Humanas, dedicaram-se a explicá-las e interpretá-las. Este artigo toma como objeto empírico um contrato de trabalho, de “Cessão onerosa de interpretações fixadas”, estabelecido entre um artista da música popular brasileira, João do Vale, e uma grande gravadora de discos, a CBS, nos anos de 1980. Mostro como este documento jurídico, forma institucionalizada de vínculos sociais específicos, revela estratégias de reprodução de um modelo hegemônico de negócios no período, e de que modo as disposições dos agentes envolvidos neste processo se ajustaram a esta ordem vigente. Parto da hipótese de que a conclusão deste contrato de venda evidencia a marca e o domínio do campo fonográfico, de sua organização e funcionamento, tanto para a gravadora quanto para o artista.

Palavras-chave: artista popular, mercado fonográfico, gravadoras majors, contrato de trabalho, carreiras artísticas.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

Signatária da Declaração de São Francisco sobre Avaliação da Pesquisa – DORA

 

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues



Crossref Member Badge

Crossref Similarity Check logo

 

Redalyc - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal

GoogleScholar