As quitandadeiras de Minas Gerais: memórias brancas e memórias negras

Javier Alejandro Lifschitz, Juliana Bonomo

Resumo


Neste artigo, analisamos narrativas de memória sobre as quitandas e as quitandeiras de Minas Gerais em três momentos históricos: como prática de origem africana, que durante o século XVIII e XIX se reproduziu nas colônias com as escravas negras que vendiam alimentos nas ruas levando tabuleiros; como prática de origem portuguesa realizada no âmbito das fazendas pelas escravas domésticas, sob supervisão das sinhás brancas de origem portuguesa e como política de patrimonialização na atualidade. Tentamos identificar, com base em material secundário e entrevistas, qual é a memória social que hoje temos sobre esse ofício feminino que perpassou diferentes grupos sociais e étnicos, e como as autoridades locais passaram a intervir na sua construção.

Palavras-chave: quitandeiras, memória social, patrimônio cultural.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues


Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo