Cooperativas populares e práticas em Psicologia Social

Patricia Martins Goulart, Silvia Batista Von Borowski

Resumo


Os objetivos deste trabalho consistiram em conhecer as práticas realizadas em arranjos cooperativos populares no âmbito da Economia Solidária, com atenção aos obstáculos e alternativas percebidas pelos extensionistas. O estudo, de desenho exploratório e qualitativo, analisou em profundidade 13 publicações datadas de 2003 até 2010, considerando o campo da Psicologia Social. As informações evidenciaram que a autogestão configura um dos focos principais dos artigos analisados. Outro aspecto se refere aos significados atribuídos ao trabalho na perspectiva cooperativista, os quais se conectam com sentimentos de autovalorização. Por outro lado, embora o trabalho em arranjos cooperativos seja enaltecido, os cooperados preferem empregos formais, regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas. Esses achados podem estar vinculados à precariedade financeira e aos entraves burocráticos presentes nos arranjos populares como também à pressão midiática em favor do consumo desenfreado e ao trabalho assalariado, como principal via de inclusão produtiva.

Palavras-chave: cooperativas, práticas, Psicologia Social do Trabalho.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues


Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo