Os movimentos sociais na crise financeira global: questões e polêmicas

Leonardo de Araújo e Mota

Resumo


Nos anos 1990, surgem os movimentos antiglobalização contestando os efeitos das políticas neoliberais e suas consequências sociais, organizando várias manifestações de protesto em Seattle (1999), Gênova (2001), Nova York (2002), tendo como alvo instituições como o grupo do G-8 ou a Organização Mundial do Comércio (OMC). Após a crise financeira de 2008 nos Estados Unidos, outros movimentos sociais de resistência ao capitalismo tomaram as ruas de cidades norte-americanas e europeias, entre os quais estão os Indignados (Espanha), Occupy Wall Street (EUA) e Geração à Rasca (Portugal), entre outros. O objetivo deste artigo é efetuar uma análise teórica, de natureza bibliográfica, utilizando autores contemporâneos das Ciências Sociais, sobre os movimentos surgidos após a crise financeira de 2008, situando-os no contexto das mutações do capitalismo contemporâneo. Nossa análise conclui que, apesar do aumento da incidência de tais movimentos sociais em âmbito mundial, o atual contexto econômico recessivo ainda provoca elevados índices de desemprego nos países mais afetados, o meio ambiente continua ameaçado, e os partidos políticos sofrem uma forte crise de representatividade junto à sociedade civil.

Palavras-chave: movimentos sociais, crise financeira, capitalismo contemporâneo.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

Signatária da Declaração de São Francisco sobre Avaliação da Pesquisa – DORA

 

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues



Crossref Member Badge

Crossref Similarity Check logo

 

Redalyc - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal

GoogleScholar