Periferia e centro comunitário: experiências do habitar e a vida de uma organização comunitária

Paulo Sérgio Lima da Silva, Carmem Izabel Rodrigues

Resumo


Este artigo objetiva refletir sobre como as experiências vivenciadas por moradores da periferia de uma cidade dão vida a organizações populares como um centro comunitário e influenciam nas formas de atuação dessas entidades. Nesse sentido, as reflexões aqui apresentadas fazem uso de, e tentam interpretar, com outra problematização, dados levantados em um estudo de caso desenrolado no Centro Comunitário São Paulo, em Icoaraci, distrito administrativo da cidade de Belém (PA). Ressalta-se ainda o embasamento teórico-metodológico a partir da análise de fenômenos como a segregação socioespacial, espoliação urbana, redes familiares, região moral e falas do crime em um espaço na (e de) periferia. Dessa forma, a entidade e suas ações são aqui percebidas como um espelho da vida nas ruas, sendo influenciadas tanto pelas carências locais (em infraestrutura urbana e serviços diversos) quanto pela existência de uma intensa sociabilidade que agrega os moradores do bairro periférico Campina de Icoaraci no espaço do Centro Comunitário.

Palavras-chave: processos coletivos, periferia, vida cotidiana.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

Signatária da Declaração de São Francisco sobre Avaliação da Pesquisa – DORA

 

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues



Crossref Member Badge

Crossref Similarity Check logo

 

Redalyc - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal

GoogleScholar