A ascensão dos pobres a posições de elite político-administrativa no contexto do Cabo Verde pós-independente

Crisanto Barros

Resumo


A administração do Estado moderno cabo-verdiano, que resulta das profundas mudanças instituídas no decurso da segunda metade do século XIX, é feita, em grande parte, por naturais do arquipélago, cujo recrutamento ocorria predominantemente no seio das famílias mais favorecidas. Essa tendência prevalece ainda ao longo do século XX, conhecendo, entretanto, alguma alteração a partir dos finais do ano sessenta desse século. O presente artigo pretende analisar a ascensão de indivíduos das camadas populares a posição de elite político-administrativa com a institucionalização do Estado nacional a partir de 1975. No escopo deste ensaio, focalizaremos a nossa análise sobre as trajectórias da elite político-administrativa proveniente dos estratos sociais mais desfavorecidos da sociedade cabo-verdiana, procurando compreender as condicionantes históricas e as estratégias individuais e familiares que contribuíram para que sua presença se tornasse mais frequente no decurso do último quartel do século XX.

Palavras-chave: pobres, elites, escolarização.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues