A memória dos militantes gráficos do Rio de Janeiro sobre o golpe civil-militar de 1964

Cristiane Muniz Thiago

Resumo


Este texto discutirá as disputas em torno da memória de um dos episódios mais marcantes da história recente do país, o golpe civil-militar de 1964. Nossa investigação privilegia um grupo de militantes do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas do Município do Rio de Janeiro e as construções feitas por esses personagens sobre acontecimentos que culminaram no golpe de 1964. A construção e reconstrução da memória desse período e sua relação com as questões políticas mais proeminentes do grupo serão debatidas neste texto. Nossa análise terá como objeto entrevistas com velhos militantes e periódicos da categoria. Concluímos que diante de uma iminente crise político-institucional, deflagrada com o golpe de 1964, os elementos que sustentam a construção identitária da categoria são acionados e negociados. Essa memória, que é parte de uma experiência histórica do grupo, é também reconstruída no presente para legitimar ou questionar o papel dos atores sociais que ainda ocupam espaços de destaque na categoria.

Palavras-chave: memória, sindicalistas gráficos, golpe civil-militar de 1964.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

Signatária da Declaração de São Francisco sobre Avaliação da Pesquisa – DORA

 

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues



Crossref Member Badge

Crossref Similarity Check logo

 

Redalyc - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal

GoogleScholar