Dez anos de Seattle, o movimento antiglobalização e a ação coletiva transnacional

Breno Bringel, Enara Echart Muñoz

Resumo


Dez anos depois dos protestos em Seattle, em 1999, propõe-se, neste artigo, realizar um balanço sobre o movimento antiglobalização. Partimos da hipótese de que, durante esse tempo, o movimento antiglobalização demonstrou uma importante capacidade de organização, de mobilização e de incidência no cenário internacional. Na atualidade, vive uma etapa de crise como ator, mas grande parte de seu legado já é assumido como um novo marco de ação coletiva transnacional. Para concretizar esta análise, o artigo apresenta o movimento antiglobalização e suas características e inclui sobre esta uma breve discussão conceitual e terminológica; explica o processo de emergência e analisa os principais ciclos e agendas do movimento; estuda os primeiros sinais de esgotamento do movimento antiglobalização e a argumentação de que há, também, para além da crise daquele, uma crise conceitual ao explicar o novo ativismo transnacional. Finalmente, este estudo faz uma reflexão sobre alguns dos desafios enfrentados pelos movimentos globais na atualidade.

Palavras-chave: ação coletiva transnacional, movimento antiglobalização, movimentos sociais globais, Seattle.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6229 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. [atualizado em 25/05/2016]

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -750. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 - Banner artwork by Z Shinoda.
Projeto gráfico: Jully Rodrigues


Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo