A aprendizagem do Parkatêjê no discurso de seus professores indígenas

Maria de Nazaré Moraes da Silva, Marília de Nazaré de Oliveira Ferreira

Resumo


Nos últimos anos, o paradigma da complexidade tem despertado a atenção de pesquisadores da área de Linguística Aplicada, em especial no que se refere a investigações voltadas a ambientes interacionais de aprendizagem de línguas. Até o momento presente, todavia, não se tem conhecimento de estudos fundamentados por esse paradigma direcionados ao ensino formal de línguas indígenas. A fim de contribuir com a área em questão, este artigo tem como objetivo analisar o discurso de quatro professores indígenas da Escola Pẽmptykre Parkatêjê que atende indígenas de mesma denominação, localizada na Reserva Indígena Mãe Maria, a sudeste do Estado do Pará. A análise ancora questões de identidade aos postulados da complexidade, a fim de contribuir com um novo enfoque para a aprendizagem da língua Parkatêjê e, em consequência, com o seu fortalecimento e a sua preservação. Configura-se, assim, como uma pesquisa de abordagem qualitativa. As reflexões evidenciam que, no momento contemporâneo, a aprendizagem formal do Parkatêjê, entendendo essa língua e seus aprendentes como sistemas complexos, portanto, dinâmicos e não lineares, não pode permanecer circunscrita ao paradigma tradicional de ensino, mais que isso, torna-se imperioso também trabalhar a sua inteireza, à luz da complexidade.

Palavras-chave: complexidade, identidade, língua Parkatêjê.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6202 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues


 

SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo