A diversidade linguística como questão de governo

Cristine Gorski Severo

Resumo


O artigo visa refletir a respeito do papel dos discursos e saberes sobre a diversidade linguística no âmbito da razão do Estado. Trata-se de averiguar a maneira pela qual, no Brasil, se tem, desde o período colonial até os dias atuais, uma ‘vontade de saber’ sobre a diversidade linguística operando no interior do dispositivo colonial e do governo estatal. Para tanto, discorre-se sobre o nascimento dos estados modernos a partir de sua racionalização na Europa e a relação desses estados com os domínios religiosos e científicos. Procede-se a uma análise panorâmica das práticas e dos discursos sobre a diversidade linguística em contexto brasileiro entre os séculos XVI e XXI. Argumenta-se, por fim, que a defesa da diversidade linguística não implica, necessariamente, a promoção da diversidade discursiva, ou seja, da diversificação de culturas, de formas de ser, de pensar e de agir no mundo.

Palavras-chave: diversidade linguística, racionalidade, governo, discurso.


Texto completo: PDF



ISSN: 2177-6202 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022 -000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues


 

SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo