DESERTO INDUSTRIAL NA ENTRADA DA CIDADE DE KENADSA: PATRIMÔNIO INDUSTRIAL DIFÍCIL DE ASSUMIR

Adil Mostadi, Ratiba Wided Biara

Resumo


Kenadsa, a primeira cidade industrial no sul da Argélia durante a era colonial, experimentou a produção intensiva do depósito de carvão. Após a independência da Argélia, em 1962, a atividade de mineração, que deixou de operar por decisão do governo, deixou para trás um enorme emblema industrial. Este é hoje classificado como patrimônio cultural e histórico na cidade de Bechar. No entanto, terrenos e edifícios deixados vagos pela indústria estão localizados no meio da cidade de Kenadsa, onde uma densidade populacional relativamente alta é centrada. Essa configuração sugere que tanto a cidade como seus habitantes são confrontados com um sério risco de poluição do solo e do ar. O brownfield do Kenadsa, situado em sua entrada, incorpora a identidade e a história da cidade. Na esperança de reduzir os espaços industriais abandonados, este artigo propõe formas de planejamento do uso da terra que pavimentam o caminho para a evolução da cidade em questão. Portanto, adota-se uma abordagem histórica que coloca o fenômeno em sua estrutura de espaço e tempo. Essa abordagem é seguida por um estudo de impacto que é acompanhado por um levantamento de algumas notabilidades. Finalmente, este artigo sugere maneiras de preservar cautelosamente os traços de um passado industrial que, ao mesmo tempo, impõe restrições ao planejamento urbano e prejudica a paisagem urbana e o meio ambiente.

Palavras-chave: Brownfield, Kenadsa, carvão, patrimônio cultural.


Texto completo: PDF (English)



ISSN: 1808-5741 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219

Os croquis utilizados no banner (da esquerda para a direta): Pavilhão do Brasil na Expo 70 (Osaka, Japão) e Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) do arquiteto Paulo Mendes da Rocha©.

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo