A APROPRIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO NATURAL EM CENTROS SOCIOEDUCATIVOS PARA JOVENS EM PRIVAÇÃO DE LIBERDADE

Eunice Maria Nazarethe Nonato, Edmarcius Carvalho Novaes, Nadia Maria Jorge Medeiros, Isaque Ferreira Alves

Resumo


O presente artigo objetiva apresentar um conceito arquitetônico que aborde questões decorrentes do aproveitamento de iluminação natural inseridas em edificações destinadas a jovens em situação de privação de liberdade. A metodologia adotada é teórico-empírica, tendo por base a realização de revisão bibliográfica e de visitas de campo, com registro em diário de bordo, realizadas no Centro Socioeducativo São Francisco de Assis, na cidade de Governador Valadares (MG). Tomam-se como referência neste estudo as contribuições teóricas de autores que discutem adequações de luz natural em projetos de arquitetura. Os aspectos quantitativos não fazem parte da proposta do trabalho em questão. Observou-se como um dos principais problemas arquitetônicos da Unidade campo do estudo a existência de pouca luminosidade nos espaços internos. Assim, este trabalho propõe tipologias de abertura para a inserção de iluminação natural no interior dos espaços.

Palavras-chave: Centros socioeducativos, iluminação natural, jovens em privação de liberdade.

 


Texto completo: PDF



ISSN: 1808-5741 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219

Os croquis utilizados no banner (da esquerda para a direta): Pavilhão do Brasil na Expo 70 (Osaka, Japão) e Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) do arquiteto Paulo Mendes da Rocha©.

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo