Construído sobre Modernismo: a base teórica de preservação do patrimônio contemporâneo na Espanha

Anna Nóra Kóródy, Zorán Vukoszávlyev

Resumo


Modernidade e preservação do patrimônio às vezes são considerados como ideias opostas; contudo, os dois conceitos estão inseparavelmente ligados ao longo do século 20. O 50º aniversário da organização ICOMOS (fundada em 1965) proporcionou uma oportunidade para rever a conexão da proteção de monumentos e princípios modernos, uma dualidade que acompanhou o último século da arquitetura. A reforma geral dos movimentos de preservação de monumento foi desencadeada pela destruição das guerras mundiais, seguida pela crise global de identidade desencadeada pelas reconstruções modernistas das cidades em toda a Europa. Devido à ignorância do desejo de continuidade histórica, a arquitetura late-moderno causou intensa crítica social em vários países europeus. Entretanto, o fundo histórico-cultural especial da Península Ibérica criou um cenário de tendências arquitetônicas e um desenvolvimento de proteção ao monumento que diferiam de outras partes da Europa. Este estudo investiga a história da preservação do patrimônio arquitectônico na Espanha, analisa as metodologias paralelas e as interações do Modernismo e de proteção ao monumento do ponto de vista teórico, refletindo sobre as condições específicas do país durante o século XX, dando uma visão geral do forte enraizamento da preservação do patrimônio no Modernismo.

Palavras-chave: patrimônio construído, arquitetura contemporânea, modernismo, reabilitação, arquitetura espanhola, teoria da preservação de patrimônio edificado.


Texto completo: PDF (English)



ISSN: 1808-5741 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219

Os croquis utilizados no banner (da esquerda para a direta): Pavilhão do Brasil na Expo 70 (Osaka, Japão) e Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) do arquiteto Paulo Mendes da Rocha©.

Projeto gráfico: Jully Rodrigues

SCImago Journal & Country Rank