Grandes eventos e a mobilidade urbana: o caso de Porto Alegre e a Copa do Mundo de 2014

Décio Rigatti

Resumo


O objetivo deste trabalho é analisar os impactos das alterações introduzidas na cidade de Porto Alegre pelas obras para a Copa do Mundo de 2014 na sua estrutura e dinâmica da mobilidade urbana. São utilizadas as técnicas de sintaxe espacial (Hillier e Hanson, 1984) como ferramentas para avaliar três diferentes momentos: (a) antes da realização dos trabalhos de intervenção; (b) durante a realização das intervenções urbanas; (c) depois da realização das obras. São utilizados indicadores de resiliência urbana propostos por Cutini (2013). É possível identificar os impactos na mobilidade geral urbana de Porto Alegre e a resiliência do tecido às mudanças. Em função da malha urbana de Porto Alegre, com grande anelaridade geral, as obras possuem um impacto reduzido no sistema de mobilidade, com um tecido urbano que apresenta grande resiliência a alterações. A nova infraestrutura de mobilidade implantada possui um efeito muito limitado no sistema de mobilidade geral da cidade, comparativamente ao que a cidade apresentava antes das obras.

Palavras-chave: resiliência urbana, sintaxe espacial, Porto Alegre, Copa do Mundo de 2014.


Texto completo: PDF



ISSN: 1808-5741 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional [atualizado em abril/2016]

Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP 93022-750, São Leopoldo, RS. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122 R: 3219

Os croquis utilizados no banner (da esquerda para a direta): Pavilhão do Brasil na Expo 70 (Osaka, Japão) e Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) do arquiteto Paulo Mendes da Rocha©.

Projeto gráfico: Jully Rodrigues

SCImago Journal & Country Rank