Teoria da argumentação jurídica em confronto com o populismo judicial

Emerson Gabardo, Ana Cristina Aguilar Viana, Dione J. Wasilewski

Resumo


Na obra “Os onze”, Felipe Recondo e Luiz Weber retratam os bastidores do Supremo Tribunal Federal, no Brasil. Segundo os autores, os onze guardiões da Constituição fazem uso da opinião pública como fundamento, distanciando-se das razões substanciais que deveriam embasar as decisões. Esse problema se encaixa no que é denominado pela doutrina como “populismo judicial”. A hipótese do artigo é que mediante o uso “metapositivista” de teóricos da argumentação jurídica, a Corte brasileira realmente atua de forma populista. A metodologia do trabalho é descritiva e lógico-dedutiva. A investigação analisa a bibliografia a respeito do tema, abordando criticamente a teoria da argumentação jurídica. O artigo descreve a evolução do pensamento jurídico que conduziu à adoção do uso de argumentos persuasivos e das técnicas da razão prática na solução das questões jurídicas, em complemento à utilização dos postulados da razão teórica. O texto relata a defesa realizada por Theodor Viehweg e Chaïm Perelman do uso da tópica e da retórica no Direito para, em seguida, apresentar a temática desenvolvida por Robert Alexy concernente ao discurso jurídico como modalidade específica de discurso prático. Ao final, analisa a colaboração de Aulis Aarnio ao estudo da relação entre linguagem e Direito com o objetivo de interpretação do ordenamento jurídico e obtenção de uma resposta racional para o caso concreto. Ao fim, conclui que estas teorias podem ser utilizadas como parâmetro para uma crítica ao populismo judicial, encarnado nos “onze” do STF.

Texto completo:

PDF

Referências


AARNIO, A. 1987. Sobre la ambigüedad semântica em la interpretación jurídica. Doxa: Cuadernos de Filosofía del Derecho, 4:109-117.

AARNIO, A. 1990. La tesis de la única respuesta correcta y el principio regulativo del razonamiento jurídico. Doxa: Cuadernos de Filosofía del Derecho, 8:23-38.

ALEXY, R. 2017. Teoria da argumentação jurídica: a teoria da argumentação racional como teoria da fundamentação jurídica. 4 ed. Rio de Janeiro, Forense.

ALMEIDA, J. C. 2012. Theodor Viehweg: jurisprudência, pensamento problemático e o retorno à tópica jurídica. Revista Direito e Liberdade, 14(2):99-116.

ALTERIO, A. C. 2019. Reactive vs structural approach: A public law response to populism. Global Constitutionalism, 8(2):270-296.

AMADO, J. A. G. 1987. Tópica, derecho e método jurídico. Doxa: Cuadernos de Filosofía del Derecho. 4:161-188.

ARAÚJO, L. H. D. 2018. O ativismo judicial e constrangimentos a posteriori. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):129-150.

ARENDT, H. 1989. As origens do totalitarismo. Traduzido por Roberto Raposo. São Paulo, Companhia das Letras.

ATIENZA, M. 2016. As razões do direito: teoria da argumentação jurídica. 2 ed. Rio de Janeiro, Forense Universitária.

AVILA, A. P. O.; MELO, K. C. C. 2018. Separação de poderes e diálogos institucionais nos litígios envolvendo o direito à saúde. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):83-108.

BARROSO, L. R. 2014. Há uma crise de litigiosidade no Brasil. Disponível em: https://www.migalhas.com.br/quentes/209644/ministro-barroso-ha-uma-crise-de-litigiosidade-no-brasil . Acesso em: 24 jun. 2020.

BUSTAMANTE, T. R. 2004. Tópica e argumentação jurídica. Revista de Informação Legislativa. 41:153-166.

BUSTAMANTE, T. R. 2005. Argumentação contra legem: a teoria do discurso e a justificação jurídica nos casos mais difíceis. Rio de Janeiro, Renovar.

BUSTAMANTE, T.R. 2018. Obter dicta abusivos: esboço de uma tipologia dos pronunciamentos judiciais ilegítimos. Revista Direito GV, 14(2):707-745.

CICHELERO, C. A.; FERRI, C.; NUNES, E. B. 2018. From an idealized separation of powers to its practical problems in the Rule of Law. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):15-40.

COSTA, P. 2011. Discurso jurídico e imaginação: hipóteses para uma antropologia do jurista. In: C. Petit (org.), Paixões do jurista: amor, memória, melancolia, imaginação. Curitiba, Juruá.

COURA, A. C.; PAULA, Q. C. 2018. Ativismo judicial e judicialização da política: sobre o substancialismo e procedimentalismo no Estado Democrático de Direito. Revista Brasileira de Estudos Políticos, 116:63-112.

DALY, T. 2019. Populism, Public Law, and Democratic Decay in Brazil: Understanding the Rise of Jair Bolsonaro, March 11. This paper was prepared for the 14th International Human Rights Researchers’ Workshop: Democratic Backsliding and Human Rights. Law and Ethics of Human Rights (LEHR) Journal, 2-3. Retrieved from: SSRN: https://ssrn.com/abstract=3350098 Access: 20 May 2020.

DUARTE, É. O. R.; POZZOLO, S. 2006. Neoconstitucionalismo e positivismo jurídico: as faces da teoria do direito em tempos de interpretação moral da Constituição. São Paulo, Landy.

DWORKIN, R. 2004. La lectura moral y la premisa mayoritarista. In: H. H. Koh; R. Slye (Comp.), Democracia deliberativa y derechos humanos. Barcelona, Gedisa.

GABARDO, E. 2017. Os perigos do moralismo político e a necessidade de defesa do direito posto na Constituição da República de 1988. A&C - Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 17(70):65-91.

GABARDO, E.; SALGADO, E. D. 2008. Os fundamentos democráticos da decisão judicial e a questão do Direito e da moral: uma visão a partir do neopositivismo de Hart e a crítica de Nino. Revista da Faculdade de Direito – UFPR, 48:65-186.

GAZETA DO POVO. 2012. Justiça tem de ouvir a voz das ruas, diz Barbosa ao assumir o STF. Das Agências. 22 nov. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/justica-tem-de-ouvir-a-voz-das-ruas-diz-barbosa-ao-assumir-o-stf-2ra0ztdbkq8srj8uh51p7h5xq/ Acesso em: 21 jun. 2020.

HABERMAS, J. 2004. A ética da discussão e a questão da verdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo, Martins Fontes.

HACHEM, D. W. 2011. O Estado moderno, a construção cientificista do Direito e o princípio da legalidade no constitucionalismo liberal oitocentista. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 11(46):199-219.

KITTRIE, O. F. 2016. Lawfare: Law as a Weapon of War. New York, Oxford University Press.

KLATT, M. 2020. La filosofia del Derecho de Robert Alexy como sistema. Doxa: Cuadernos de Filosofía del Derecho. 43:219-252.

LEAL, F. 2017. Até que ponto é possível legitimar a jurisdição constitucional pela racionalidade? Uma reconstrução crítica de “A razão sem voto”. In: O. V. Vieira; R. Glezer (org.), A razão e o voto: diálogos constitucionais com Luís Roberto Barroso. Rio de Janeiro, FGV.

LEVITSKY, S.; ZIBLAT, D. 2018. Como as democracias morrem. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro, Zahar.

LIMA, F. D. S.; GOMES NETO, J. M. W. 2018. Autocontenção à brasileira? Uma taxonomia dos argumentos jurídicos (e estratégias políticas?) explicativo(a)s do comportamento do STF nas relações com os poderes majoritários. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):221-247.

LIMA, F. R. S.; VILLAS BÔAS FILHO, O. 2018. Separação dos poderes e complexidade social – uma releitura sistêmica. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1):189-220.

MOURA, G. de S. S. 2014. Crítica ao uso da tópica de Viehweg na argumentação jurídica: um repensar a partir da teoria discursiva do Direito e da Moral de Habermas. Riga, Novas Edições Acadêmicas.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. 2014. Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo, Martins Fontes.

PSCHEIDT, K. R. 2016. Constitucionalismo judicial: o desvio democrático. Revista de Direito Econômico e Socioambiental, 7(2):36-48.

REVISTA CONSULTOR JURÍDICO. 2019. Barroso afirma que STF deve corresponder aos sentimentos da sociedade. Elemento Externo, 2 de abril. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2019-abr-02/barroso-stf-responder-aos-sentimentos-sociedade Acesso em: 21 jun.

REZENDE, M. C. de M. 2018. Democratização do Poder Judiciário no Brasil. São Paulo, Contracorrente.

RICHARD, L. 1998. A república de Weimar. Tradução de Jonatas Batista Neto. São Paulo, Companhia das Letras.

ROSA, Y. C. 2015. Derecho y argumentación. El puesto de la razón em la fundamentación de las decisiones judicialies. Enciclopedia de Filosofía y Teoria del Derecho, 1:325-361.

RUNCIMAN, D. 2018. Como a democracia chega ao fim. Tradução de Sergio Flaksman. São Paulo, Todavia.

SALGADO, E. D. 2018. Populismo judicial, moralismo e o desprezo à Constituição: a democracia entre velhos e novos inimigos. Revista Brasileira de Estudos Políticos, 117:193-217.

SCHIER, A. C. R.; FLORES, P. H. B. 2017. Estado de Direito, superação do positivismo e os novos rumos do constitucionalismo. Revista Eurolatinoamericana de Derecho Administrativo, 4(2):59-77.

SOUSA, A. 2000. A persuasão: estratégias para uma comunicação influente. Covilhã, Portugal. Mestrado em Ciências da Comunicação. Universidade da Beira Interior, 128 p. Disponível em: https://www.academia.edu/7327914/A_PERSUASÃO_Estratégias_para_uma_comunicação_influente_Índice_e_Introdução_INTRODUÇÃO_I_PARTE_RETÓRICA_DISCURSO_OU_DIÁLOGO?fs=rwbcr-1167913371 Acesso em: 23. out. 2019.

STRECK, L. L.; TASSINARI, C.; LEPPER, A. O. 2015. O problema do ativismo judicial: uma análise do caso MS3326. Revista Brasileira de Políticas Públicas, 5(2):51-61.

TEIXEIRA, Anderson Vichinkeski. Ativismo judicial: nos limites entre racionalidade jurídica e decisão política. 2012. Revista Direito GV, 8(1):37-58.

TUSHNET, M. 2019. Varieties of populism. German Law Journal, 20:382-389. Disponível em: https://doi.org/10.1017/glj.2019.27 Acesso em: 04 nov. 2019.

WINTGENS, L. J. 1993. Retórica, razonabilidad y ética: un ensayo sobre Perelman. Doxa: Cuadernos de Filosofía del Derecho, 14:195-206.

ZANIN, C.; MARTINS, V.; VALIM, R. 2019. Lawfare: uma introdução. São Paulo, Contracorrente.




DOI: https://doi.org/10.4013/rechtd.v12i3.21055



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues

 
 
 
 
 
 
   

 

SCImago Journal & Country RankCrossref Member Badge Crossref Similarity Check logo