População ribeirinha no Amazonas e a desigualdade no acesso à saúde

Isabela Moreira Domingos, Rubén Miranda Gonçalves

Resumo


Este artigo objetiva analisar as dificuldades da população ribeirinha no Estado do Amazonas quanto ao acesso à saúde e demais problemas ocasionados pela ineficiência de saneamento básico na região. O método desenvolvido foi o hipotético-dedutivo que busca construir ou reafirmar hipóteses e conjecturas sob a análise do autor Amartya Sen, reconhecendo fatos e selecionando fatores pertinentes para demonstrar a importância do desenvolvimento humano dos povos tradicionais para o alcance de uma vida digna, principalmente, em regiões mais afastadas ou de difícil acesso. Também foi utilizada a análise bibliográfica, jurisprudencial e a consulta de reportagens sobre a região Amazônica. A aplicação dessa temática possibilita os estudos de desenvolvimento regional e de repensar as políticas públicas de acesso à saúde como redução da desigualdade social e o controle de doenças epidemiológicas.


Referências


ANAMMA. 2017. Novo estudo mostra que universalização do saneamento básico em 20 anos traria ao país benefícios econômicos e sociais de R$ 537 bilhões. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2018.

EBC. 2016. Ibge: Brasil já tem 206 milhões de habitantes. . Acesso em: 15 maio. 2018.

GAMA, A. S. M.; FERNANDES, T. G.; PARENTE, R. C. P.; SECOLI, S. R. 2018. Inquérito de saúde em comunidades ribeirinhas do Amazonas, Brasil. Cad. Saúde Pública, 34(2):2-15.

HACHEM, D. W. 2014. Direito fundamental ao serviço público adequado e capacidade econômica do cidadão: repensando a universalidade do acesso à luz da igualdade material. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 14(55):123-158.

HESSEL, R. 2017. Serviço de tratamento de esgoto exclui 10,7 milhões de brasileiros. Disponível em: . Acesso em 20 maio. 2018.

LIRA, T. de M.; CHAVES, M. do P. R. C. .2016. Comunidades ribeirinhas na Amazônia: organização sociocultural e política. Interações, 17(1):66-76.

MARTINS, M. S. D’O. 2003. O princípio da Subsidiariedade em perspectiva jurídico-política. Coimbra, Coimbra Editora.

MELO, K. 2017. Apenas 22% da população do Estado têm acesso à coleta de efluentes, enquanto a taxa de tratamento de esgoto não passa de 19%. 27 de setembro. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Equipes de Saúde da Família Ribeirinhas (ESFR). Departamento de Atenção Básica. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2018.

ONU/BR. 2014 OMS: Para cada dólar investido em água e saneamento, economiza-se 4,3 dólares em saúde global. Disponível em: < https://nacoesunidas.org/oms-para-cada-dolar-investido-em-agua-e-saneamento-economiza-se-43-dolares-em-saude-global/>. Acesso em: 20 maio 2018.

PARADA, E. L. 2006. Política y políticas públicas. In: E. Saravia; E. Ferrarezi (Org.). Políticas públicas. Brasília, ENAP.

PINHEIRO, M. M. S. 2012. As liberdades humanas como bases do desenvolvimento: uma análise conceitual da abordagem das capacidades humanas de Amartya Sen. Brasília/Rio de Janeiro, Ipea.

PORTAL do Amazonas. 2015. Ribeirinhos da Amazônia. Disponível em: < http://portaldoamazonas.com/wp-content/uploads/2015/03/1617135_390068594500664_2093115063253214446_o.jpg>. Acesso em 20 maio. 2018.

PORTAL do Saneamento. 2017. No AM, só 22% dos moradores de áreas urbanas têm o esgoto coletado. 19 de outubro. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2018.

POSEY, D. A. 1980. Os Kayapó e a natureza. Ciência Hoje, 2(12):148-151.

SEN, A. 2011. A Ideia de Justiça. Tradução Denise Bottmann, Ricardo Doninelli Mendes. São Paulo, Companhia das Letras.

______. 2017. Desigualdade reexaminada. Tradução de Ricardo Doninelli Mendes. 4. ed. Rio de Janeiro/São Paulo, Record.

______. 2010. Desenvolvimento como Liberdade. Tradução Laura Teixeira Motta. São Paulo, Companhia das Letras.

SOUZA, C. 2006. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, 8(16):20-45.

SOUZA, G. C. de A. 2010. O SUS nos seus 20 anos: reflexões num contexto de mudanças. Saúde Soc., 19(3):509-517.

TRATA BRASIL. 2017. Estudo destaca benefícios com a expansão do saneamento no Brasil. Disponível em: < http://m.tratabrasil.org.br/estudo-destaca-beneficios-com-a-expansao-do-saneamento-no-brasil >. Acesso em: 15 maio. 2018.

ZAMBAM, N. J.; KUJAWA, H. A. 2017. As políticas públicas em Amartya Sen: condição de agente e liberdade social. Revista Brasileira de Direito, 13(1):60-85.

ZOLET, L. A. da S. 2015. Liberdade e desenvolvimento sustentável: questões fundamentais na democracia contemporânea. Universitas JUS, 26(2):111-122.


Texto completo: PDF



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo