Os novos donos do saber jurídico: a disputa pela ocupação dos espaços de produção de sentido do Direito no Brasil

Ana Elisa Spaolonzi Queiroz Assis, Luís Renato Vedovato, Rafael Lazzarotto Simioni

Resumo


Esta pesquisa objetiva discutir, a partir de dados empíricos sobre as organizações jurídicas brasileiras, as relações de poder entre magistratura, advocacia pública, advocacia privada e academia, partindo de uma relação entre a noção de campo simbólico de Pierre Bourdieu e o conceito de episteme de Michel Foucault. Utilizam-se dados coletados em sites jurídicos de massa, cujas publicações de ensaios, artigos e opiniões possibilitam uma análise sobre os diferentes tipos de discurso e as diferentes formas de apropriação dos saberes jurídicos. As informações levantadas permitem inferir que a advocacia perdeu a influência política que teve no século XX porque outros atores jurídicos conquistaram os espaços de produção de sentido do direito, em especial a magistratura. Entretanto há novos movimentos de resistência se desenhando sobre o campo jurídico. As advocacias públicas e a academia, de modos bastante diferentes, têm apresentado discursos políticos de oposição ao protagonismo jurisdicional da magistratura na produção do direito.

Palavras-chave: advocacia, academia, magistratura, discurso político, campo jurídico.


Texto completo: PDF



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues



SCImago Journal & Country Rank Crossref Member Badge Crossref Similarity Check logo