Direito e imaginação: a dimensão prospectiva para a proteção dos direitos humanos

Milena Petters Melo, Thiago Rafael Burckhart

Resumo


A imaginação pode ser entendida como uma potencialidade constitutiva dos seres humanos, enquanto seres conscientes e sujeitos cognoscentes. Em razão disso, a imaginação possui uma profunda relação com o direito, sobretudo no que tange à sua dimensão prospectiva. Diante da complexidade do contexto hodierno, somente a partir da imaginação será possível superar os grandes e inusitados desafios que se colocam no plano jurídico, social, político e cultural, para a proteção dos direitos humanos. Nesse sentido, este artigo tem por objetivo analisar a subestimada relação entre direito e a imaginação na modernidade, a partir de uma abordagem dialógica destes fenômenos. Para tanto, o artigo divide-se em três tópicos: (i) Sobre a imaginação e conhecimento; (ii) A razão jurídica na modernidade; (iii) As relações entre direito e imaginação.

Palavras-chave: direito, imaginação, modernidade, conhecimento, direito humanos.


Texto completo: PDF



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues