Estado e democracia: esboço de uma interpretação do habitus político brasileiro

Álvaro Filipe Oxley da Rocha, Gabriel Eidelwein Silveira

Resumo


Este artigo explora a possibilidade de se utilizar a teoria das formas de governo de Montesquieu para interpretar a conduta típica do político brasileiro. Identifica-se o problema da incompatibilidade das instituições democráticas com a ação fundada no respeito ao bem público, em face da cultura brasileira. A teoria de Montesquieu é contextualizada na corrente das teorias das formas de governo de Aristóteles e de Maquiavel. A par disso, é proposta uma atualização sistemática da teoria de Montesquieu, aproximando-a do conceito sociológico de habitus, no uso de Bourdieu. Por fim, são utilizados elementos de Faoro com o objetivo de esclarecer a conjuntura política que produziu o habitus antidemocrático do político no Estado brasileiro.

Palavras-chave: democracia, habitus, política.

Texto completo: PDF



ISSN: 2175-2168 - Melhor visualizado no Mozilla Firefox

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0

São Leopoldo, RS. Av. Unisinos, 950. Bairro Cristo Rei, CEP: 93.022-000. Atendimento Unisinos +55 (51) 3591 1122

Projeto gráfico: Jully Rodrigues